A fadiga no trabalho pode causar acidentes? - DuaPi Epi

Blog Conteúdos sobre gestão de EPIs,
segurança do trabalho e novidades do segmento.

Publicado em 12 de novembro de 2021 na categoria #Artigos

A fadiga no trabalho pode causar acidentes?

fadiga no trabalho e acidentes trabalhistas

Você pode não saber, mas a fadiga no trabalho provavelmente afeta um ou mais trabalhadores da sua equipe. Isso porque essa condição faz parte do dia a dia de diversos profissionais. Mas o que realmente é a fadiga? Existem tipos diferentes de fadiga? Quais os sintomas e como tratá-los?

Essa são algumas das dúvidas que o tema gera, mas ainda existem outras. E isso sem contar o fato de que muitos gestores simplesmente acham que a fadiga é apenas preguiça do colaborador. Esse é um cenário que precisa mudar com urgência. Assim, é possível combater o cansaço extremo.

Além da própria saúde do trabalhador, esse tipo de situação pode causar acidentes de trabalho sérios, até mesmo com risco de óbito. Isso porque a fadiga afeta a capacidade de trabalho da pessoa, além da vida social, bem-estar e o rendimento profissional.

Em resumo, a fadiga no trabalho precisa ser identificada e tratada antes que o pior aconteça. Essa é uma das doenças ocupacionais que mais aparece e não recebe o devido tratamento. Isso ocorre justamente por ser confundida com o cansaço comum. Entenda mais a seguir.

O que é a fadiga no trabalho?

Fadiga no trabalho é o nome que se dá para o cansaço excessivo e sem motivo aparente, mas que não passa após descansar. Essa condição pode causar diversos problemas dentro do ambiente de trabalho, além de ser perigosa para o trabalhador e seus colegas.

Sendo assim, esse cansaço exagerado precisa ser identificado e tratado. Além disso, é importante manter um ambiente de prevenção contra a condição. Em geral, os fatores responsáveis pela fadiga no trabalho são:

como surge a fadiga no trabalho

Conhecendo esses sintomas, fica mais fácil de identificar a condição. Portanto, é sempre uma boa ideia repassar essas informações para os trabalhadores. Assim todos sabem como reconhecer e reportar a fadiga.

Existem dois tipos de fadiga

Existem duas variações da fadiga: aguda e crônica. Elas possuem características diferentes, principalmente na forma como se manifestam. Essas diferenças auxiliam na hora de realizar o tratamento contra o cansaço excessivo. Conheça os dois tipos abaixo.

Fadiga aguda

Esse tipo de cansaço costuma aparecer pela falta de sono adequado, ou ainda em situações de muito esforço físico ou mental. Dessa forma, a fadiga aguda traz apenas eventos passageiros. Em geral, é possível afastar a fadiga aguda com uma boa noite de sono.

Isso ocorre pela forma com que o corpo humano interage com o sono. Ele é uma das melhores formas de reparar o cérebro, além de músculos, sistemas e órgãos. Mesmo precisando de cuidados, a fadiga aguda é mais leve e simples de resolver.

Fadiga crônica

A pessoa afetada por tipo de fadiga no trabalho vai precisar de ajuda multiprofissional. Isso porque ela não é curada com o sono, sendo necessário consultar médicos, fisioterapeutas, psicólogos, nutricionistas e, dependendo do caso, profissionais de educação física.

Essa forma de cansaço é a mais perigosa e a que realmente necessita de atenção. Como visto, ela não é curada após um bom descanso, podendo causar problemas e riscos no ambiente de trabalho. É importante ficar sempre de olho. Conheça os sintomas a seguir.

Quais são os sintomas da fadiga no trabalho?

É importante que gestores e funcionários saibam como reconhecer a fadiga no trabalho. Para tanto, será necessário entender quais são os sintomas dessa condição. Em geral, eles são:

sintomas da fadiga no trabalho duapi sistemas

Entretanto, o processo é muito mais complexo, e será preciso ficar de olho em alguns outros detalhes para detectar a fadiga excessiva. Entre esses pontos está o cansaço que não surge apenas após atividades físicas. Confira os demais itens:

  • Falta de memória ou problemas de concentração, ou ainda ambos, nos últimos seis meses, impactando nas atividades trabalhistas;
  • Alterações no sistema imune, em geral vistas por conta de dores de garganta e linfonodos inchados ou doloridos;
  • Ganho ou perda excessiva de peso;
  • Formigamentos e dores nas articulações ou músculos.

Por fim, a Sociedade Brasileira de Reumatologia (SRB) também alerta sobre a fadiga no trabalho ocorrer por conta de outras doenças, principalmente a depressão. Mas existem outras condições de saúde que podem levar ao aparecimento do cansaço: hipoglicemia, doenças autoimunes, anemia ferropriva, disfunções glandulares e até diabetes.

Então, incentive sua equipe de colaboradores a prestar atenção nesse tipo de sinal. Isso porque, como você sabe, um trabalhador cansado pode causar acidentes de trabalho, colocando em risco sua vida e dos colegas. Além disso, o trabalho perde qualidade e as faltas aumentam.

Consequências da fadiga no trabalho

A fadiga no trabalho pode parecer algo simples e sem importância. Mas essa condição pode ser um problema gigantesco para os trabalhadores e para a empresa. Isso porque, ao trabalharem cansados, os colaboradores tem mais chances de sofrerem acidentes com maquinário, por exemplo.

Assim, essa é uma condição que afeta a saúde, bem-estar e integridade física e mental do trabalhador, além de colegas e gestores. Funções perigosas, como manutenção de fiações elétricas, por exemplo, exigem atenção e precisão, o que não ocorre quando existe a fadiga.

Essas situações podem até resultar no óbito do trabalhador. O perigo ocorre pela forma com que o organismo lida com o cansaço. Durante as situações de estresse, o corpo passa por reações químicas que podem gerar desconforto, distúrbios gastrointestinais, dores, falta de motivação e a fadiga em si.

Além disso, essa condição pode ser a porta de entrada para outras doenças mais pesadas, como a obesidade e até a depressão. O risco para a saúde é real e deve ser fortemente combatido. Mas não é apenas a integridade e o bem-estar dos trabalhadores que podem ser afetados.

Outro problema que o cansaço clínico pode gerar é a falta de entusiasmo e dedicação do colaborador. Dessa forma, os resultados são prejudicados e todo mundo sai perdendo. Então, é de interesse de todos que a fadiga no trabalho seja combatida.

É possível prevenir a fadiga no trabalho?

É certo que a prevenção é o melhor remédio. E isso também se aplica quando falamos sobre os acidentes causados pela fadiga no trabalho. Isso porque, assim, é possível evitar essas situações indesejadas, além de manter a saúde do trabalhador em dia.

Então, o ideal é que o local e as condições de trabalho sejam revisadas sempre que possível. Promover os cuidados com a saúde é dever de todos, criando um ambiente de bem-estar e prevenção.

Uma boa dica para os gestores é a de ofertar horários mais flexíveis para os trabalhadores. Assim, é possível suavizar a jornada de trabalho e reduzir a pressão trabalhista.

Outra dica é garantir os cuidados com a saúde e segurança dos colaboradores. Se necessário, oferte auxílio médico para casos onde a fadiga no trabalho é identificada. Dessa forma, trata-se a condição e é mais fácil de evitar acidentes.

Tratamento para a fadiga no trabalho

É necessário tratar a fadiga assim que ela é é detectada. Porém, vai ser preciso que diversos profissionais auxiliem nesse processo. Isso porque, atualmente não existem tratamentos específicos para essa condição.

Em geral, o que se faz é detectar outras doenças e tratá-las em conjunto. Assim, é possível que isso auxilie a cuidar da fadiga no trabalho, já que ela pode ter diversas caudas. A SBR traz algumas dicas:

  • Aplique a moderação na rotina de trabalho: Nada de trabalhar de forma excessiva. O ideal é que a empresa auxilie o colaborador na organização da rotina de trabalho, a fim de evitar estresse e cansaço;
  • Cuide do sono dos trabalhadores: Uma das possíveis causas da fadiga no trabalho é a falta de sono adequado. O que as pessoas não costumam saber é que a insônia também tem relação. Estresse por conta do trabalho costuma ser a causa. Conciliar esses dois pontos é muito importante;
  • Cuidados com ansiedade e depressão: Essas condições costumam ser devastadoras. Portanto, a empresa deve oferecer acompanhamento psicológico, se possível. Assim fica mais fácil de impedir com que ansiedade e depressão causem a fadiga no trabalho;
  • Dores em geral: Além do psicológico, as dores físicas também podem causar o cansaço extremo. Então, cuidar da saúde física dos trabalhadores também faz parte da luta contra a fadiga e os acidentes de trabalho por exaustão;
  • Terapia cognitivo-comportamental: Esse tratamento psicoterapêutico auxilia a entender as influências negativas pessoais que cada indivíduo possui. Tais comportamentos podem provocar a fadiga e dificultar a melhora.

Na busca pela saúde e bem-estar dos colaboradores, outros tratamentos também podem ser implantados pela empresa. Entre eles, estão a meditação, ioga, alongamentos e até a acupuntura. Entretanto, procure o auxílio de profissionais médicos antes de iniciar esse tipo de tratamento na empresa.

A ginástica laboral e os grupos de apoio

Duas das melhores formas de cuidar da fadiga no trabalho precisam de uma atenção especial. Isso porque, se executadas de maneira correta, essas dicas podem ser extremamente benéficas para a empresa como um todo. Dessa forma, é possível ir além da prevenção e tratamentos para o cansaço em excesso.

Essas dicas são a ginástica laboral e os grupos de apoio para a Síndrome da Fadiga Crônica (SFC). Tanto os exercícios quanto os grupos de apoio são importantes para que seja possível prevenir a fadiga no trabalho.

Atividades físicas são muito importantes para o bem-estar e a saúde humana. Assim, a ginástica laboral é uma ferramenta para fortalecer o bem-estar dos trabalhadores. Se possível, procure parcerias com academias ou insira espaço para exercícios na empresa.

Por fim, os grupos de apoio para a SFC oferecem um espaço de acolhimento e fortalecimento para o paciente. Dessa forma, ele se sente visto e mais disposto a trabalhar em uma solução para o problema. Além disso, os grupos costumam debater formas de identificar a fadiga, sintomas e mais.

Compartilhe este post:
Deixe seu comentário:Deixe seu comentário: