Poluição sonora nas empresas: como reconhecer e prevenir? - DuaPi Epi

Blog Conteúdos sobre gestão de EPIs,
segurança do trabalho e novidades do segmento.

Publicado em 17 de setembro de 2021 na categoria #Artigos

Poluição sonora nas empresas: como reconhecer e prevenir?

poluição sonora no ambiente de trabalho

Dentro do ambiente de trabalho, é comum que as atividades apresentem perigos para os funcionários. E isso pode causar problemas físicos e mentais, como é o caso da poluição sonora. Mas será que é possível identificar esses ruídos excessivos e proteger os trabalhadores?

Primeiramente, é preciso entender que a poluição sonora é um mal invisível, mas que está muito presente no cotidiano de trabalho. Em geral, ela ocorre por conta das próprias ações humanas, afetando o que se conhece por meio ambiente artificial.

O ideal é que as empresas encontrem as fontes desses ruídos danosos e ofereçam ferramentas para a proteção dos trabalhadores, através da entrega de EPI. Acompanhe o texto e confira mais sobre o tema de forma geral e dentro das empresas.

O que é poluição sonora?

A poluição sonora é a perturbação do silêncio em um local por conta da emissão de ruídos indesejáveis. Porém, isso costuma ser feito de forma contínua, o que piora o problema. Se continuar por muito tempo, ela é uma ameaça para quem está no ambiente.

poluição sonora prejudica saúde trabalhadores

Ela pode afetar a saúde física e mental das pessoas. Isso porque o alto nível dos decibéis que certas atividades provocam podem causar desconforto e até dor. Então, a poluição sonora é um risco para a audição humana, sendo necessário combater ou minimizar os ruídos.

Em um ambiente de trabalho, é muito difícil de eliminar esses barulhos prejudiciais, principalmente em casos onde o maquinário é essencial para o trabalho. Assim, é preciso oferecer EPIs específicos para os trabalhadores, como os protetores auriculares.

Como identificar?

Um detalhe importante é que nem todo som é considerado como poluição sonora. Então, para ajudar, a Organização Mundial de Saúde (OMS) traz algumas definições de ruído: todos os sons acima de 65 decibéis (dB).

Em casos onde o som passa dos 75 dB, ele já se torna prejudicial ao ser humano. Além disso, para ruídos acima dos 120 dB, é comum que as pessoas afetadas sintam dor.

tabela efeitos da poluição sonora duapi sistemas

Nas cidades, o padrão é que o barulho fique entre 90 e 100 dB, muito acima dos 50 dB indicados pela OMS. Em resumo, todo som que ultrapasse esse nível já é perigoso para a saúde humana. Atualmente, no dia a dia, as principais fontes de ruídos prejudiciais são:

  • Veículos e suas buzinas e sirenes;
  • Obras e maquinário;
  • Aparelhos de som;
  • Locais de show e templos religiosos.

Também é preciso ficar de olho em qualquer aparelho que reproduza sons diretamente no ouvido, pelos fones. Se o som estiver muito alto, é possível que a pessoa sofra problemas na audição, incluindo a perda total dela. Os mais afetados são crianças e adolescentes.

Crime ambiental

O que muita gente não sabe é que a poluição sonora é um crime ambiental. Mas as principais leis sobre o tema são de responsabilidade dos municípios. Assim, cada cidade brasileira possui suas próprias normas sobre o barulho em excesso.

Porém, existe uma lei federal que trata do assunto: a Lei dos Crimes Ambientais, nº 9.605 de 12 de Fevereiro de 1998. Ela dispõe sobre atividades prejudiciais ao meio ambiente, bem como penas, multas e questões administrativas. O Art. 54 indica:

“Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana”, pode resultar em pena de reclusão, de um a quatro anos, além de multa.

O CONAMA também traz algumas resoluções importantes sobre o tema, que são as nº 1 e nº 2, de 8 de março de 1990. Assim, elas completam as normas de controle e fiscalização de ruídos em excesso e ajudam a entender como proceder em diversos casos.

A resolução nº 1 indica critérios e padrões para níveis aceitáveis de ruídos em atividades industriais, sociais, recreativas ou comerciais. Já a resolução nº 2 instituiu o Programa Silêncio – Programa Nacional de Educação e Controle da Poluição Sonora.

Como fazer uma boa gestão de documentos? A DuaPi Sistemas vai te ajudar!

Por fim, a poluição sonora também é a principal causa de brigas entre vizinhos, as vezes causando até mortes. Isso porque, como a fiscalização costuma ser quase nula, é comum que muitas pessoas utilizem equipamentos de som de forma inadequada.

Se esse for o caso com seus vizinhos, o ideal é denunciar a poluição sonora. Então, utilize o site oficial da Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Meio Ambiente (ABEMA) para descobrir os órgãos responsáveis no seu estado.

A poluição sonora nas empresas

Dentro do ambiente de trabalho, os ruídos em excesso não são difíceis de serem ouvidos. Isso porque, em geral, as máquinas e ferramentas utilizadas pelos colaboradores costumam ser barulhentas.

Como você conferiu acima, existem níveis seguros de decibéis que o ser humano consegue aguentar a cada dia. Ao utilizar os dados da OMS, em conjunto com um decibelímetro, é possível entender quais os agentes causadores da poluição sonora no local de trabalho.

falta de protetor auricular

Sabendo quais máquinas oferecem esse risco à audição do trabalhador, fica mais fácil de garantir um ambiente seguro e saudável, através das medidas preventivas. Sendo assim, a empresa deve ficar responsável por garantir a saúde auditiva dos funcionários.

Para oferecer essa proteção, é necessário utilizar os protetores auriculares. Eles são EPIs, portanto devem ser fornecidos de forma gratuita, como indica a NR-6.

Doenças ocupacionais

Com o uso desses EPIs, é possível evitar condições auditivas leves, moderadas ou até severas. Dessa forma, é possível afirmar que a poluição sonora também pode gerar doenças ocupacionais, que podem ser passageiras ou permanentes. As patologias auditivas mais comuns são:

  • Zumbido nos ouvidos;
  • danos ao sistema nervoso;
  • hipoacusia (perda auditiva);
  • dor de cabeça;
  • dificuldade de concentração;
  • insônia;
  • agitação;
  • mau humor;
  • estresse;
  • angústia;
  • gastrite;
  • depressão;
  • agressividade;
  • surdez;
  • doenças cardiovasculares;
  • hipertensão;
  • tensão dificuldade para relaxar.

A pior parte de tudo isso é que a grande maioria dessas doenças ocorre por conta da desinformação no ambiente de trabalho. Ou seja, além dos EPIs, é preciso criar ações de conscientização dentro da empresa.

Como prevenir a poluição sonora?

Como você viu, a empresa é a responsável pela segurança dos trabalhadores. Isso inclui a prevenção de acidentes e, também, das doenças ocupacionais. Assim, é preciso garantir as proteções necessárias contra os ruídos excessivos da poluição sonora.

prevenção poluição sonora protetor auricular

A NR-9 indica que é preciso implementar um programa que busque preservar a saúde e a integridade dos trabalhadores. Então, será necessário antecipar, reconhecer, avaliar e controlar os riscos ocupacionais no ambiente de trabalho.

Caso sejam encontrados altos níveis de pressão sonora, a empresa deve implantar o Programa de Conservação Auditiva (PCA). Ele traz diversas medidas que buscam prevenir ou impedir a evolução da perda auditiva no local de trabalho.

Porém, o ideal é que seja requisitada a ajuda de profissionais especializados para que o PCA seja implantado. Entretanto, esses profissionais devem ser da área da Saúde e Segurança do Trabalho (SST).

Quando usar EPI?

Na maioria dos casos, o uso do EPI é capaz de impedir os danos que a poluição sonora causa à audição dos trabalhadores. Assim, o protetor auricular deve ser item essencial em locais de trabalho com altos níveis de ruído.

Também é importante lembrar que existem diversos tipos de protetores auriculares, de acordo com os perigos enfrentados pelos trabalhadores. Confira quais são esses tipos de EPI na imagem abaixo.

tipos protetor auricular duapi sistemas

Segundo a NR-6, esses equipamentos devem ser fornecidos pela empresa, de maneira totalmente gratuita. Entretanto, também serão necessários alguns métodos adicionais.

Isso porque não basta apenas fornecer o EPI, mas é preciso ensinar a utilizá-lo. Portanto, a gestão de treinamento da sua empresa deve estar em dia. O colaborador precisa saber como usar o protetor auricular corretamente, além de entender como conservar o EPI.

Uma boa dica é utilizar um dosímetro no ambiente com ruídos excessivos. Ele deve ser configurado para que o limite de tolerância fique em 85 dB por até 5 horas de trabalho.

Porém, o ideal é medir de forma individual, coletando dados de cada colaborador. Assim fica mais fácil de garantir a saúde auditiva de todos os trabalhadores, evitando a poluição sonora.

Compartilhe este post:
Deixe seu comentário:Deixe seu comentário: